22 agosto 2008

OK!

Sempre tive a ideia de correr uma Maratona! Qualquer pessoa que goste de correr sonha fazê-lo de uma maneira ou de outra.

Este ano a ideia surgiu-me enquanto acompanhava freneticamente os resultados dos nossos atletas em Pequim. Todos acabamos por ficar contagiados por aquele ambiente de alta competição e por momentos a publicidade de todas as marcas desportivas faz um sentido extraordinário!

Pesquisando na internet fiquei a conhecer a Maratona do Porto. Não fazia sequer ideia que desde há cerca de 4 anos se corre uma Maratona do Porto. E pelos vistos com um sucesso crescente!
26 de Outubro pareceu-me uma data demasiado próxima para me aventurar, mas pelo menos existia uma Prova de 14 km(Family Race) onde já podia tomar o pulso ao ambiente das corridas.

Antes disso e a 1 mês de distância tinha outro desafio: Meia Maratona Sport Zone a 21 Setembro. Pareceu-me bem...

Qual Forrest Gump comecei a correr na Marginal de Gaia. Era uma pena aquele passadiço não ser devidamente aproveitado e como precisava de me iniciar num percurso plano encontrei ali o sitio ideal que era também parte do percurso da MMSZ.

Antes de começar, é claro, procurei alguns conselhos na internet, mas o que eu tinha vontade mesmo de fazer era correr, correr, correr...pelo que acabei por deixar a teoria de lado e tentei ver em que situação física me encontrava.

Ponte D.Luís - Afurada = mais ou menos 4 Km em 25 minutos. "Tá bom...", pensei eu.

Afurada - Ponte D.Luís = os mesmos 4 Km em 40 minutos , sendo que 1/3 em marcha. Pensei: "Vou dedicar-me à pesca, que é mesmo a actividade principal nesta zona"...

(continua...)

1 comentário:

MPaiva disse...

Caro Mark,
Desejo-te as maiores felicidades na tua caminhada rumo ao "objectivo maratona". Como escrevi no meu blog, e por experiência pessoal recentemente comprovada, correr uma maratona é relativamente fácil, desde que se queira de verdade e, querendo, se faça aquilo que é suposto fazer (treinar em qualidade e quantidade adequadas).
O desafio pessoal que isto representa tem, face a quase tudo o resto em que nos metemos na vida, uma grande vantagem: atingir o objectivo depende, essencialmente, de nós próprios. Por isso mesmo, só há uma coisa a fazer: dar corta às sapatilhas.
abraço
MPaiva

PS - Se não for antes, encontramo-nos na S. Silvestre do Porto.